• Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
  • Google+ Social Icon

No encontro com as Autoridades, Papa almeja nova fase de paz estável

04.10.2016

 

Papa encontra as Autoridades do Azerbaijão, no Centro Heydar Aliyev de Baku - AP

 

 

Baku – Na parte da tarde deste domingo (02/10), o Santo Padre iniciou suas atividades em terras azerbaijanas, com uma visita de cortesia ao Presidente do país, Ilham Heydar Aliyev, no Palácio Presidencial de Ganjlik, em Baku.

 

Ao término da cerimônia de boas vindas, o Papa fez uma visita ao Monumento dos que tombaram na guerra da Independência do Azerbaijão.

 

A seguir, Francisco se dirigiu de papamóvel ao Centro Heydar Aliyev, de Baku, dedicado ao pai do atual Presidente, onde manteve um encontro com as Autoridades azerbaijanas.

 

Em seu discurso, ao agradecer as cordiais saudações do Presidente, em nome do seu Governo e de todo o povo, Francisco disse:

“Cheguei a este país trazendo no coração a admiração pela complexidade e a riqueza da sua cultura, fruto da contribuição dos muitos povos que, ao longo da história, habitaram nestas terras, dando vida a um tecido de experiências, valores e peculiaridades, que caracterizam a sociedade atual”.

 

No próximo dia 18 de outubro, disse o Papa, o Azerbaijão celebrará o 25° aniversário de independência. Esta ocasião dá a possibilidade de lançar um olhar de conjunto aos acontecimentos destas décadas, aos progressos realizados e aos problemas que o país está enfrentando.

 

O caminho percorrido até agora mostra claramente os esforços consideráveis feitos para consolidar as instituições e favorecer o crescimento econômico e civil da nação. É um percurso que requer constante solicitude de todos, especialmente dos mais vulneráveis.

 

Trata-se de um percurso possível, afirmou Francisco, graças a uma sociedade que reconhece os benefícios do multiculturalismo e instaura relações de mútua colaboração e respeito entre as várias comunidades civis e religiosas. E auspiciou:

 

“Espero vivamente que o Azerbaijão continue a trilhar o caminho da colaboração entre diferentes culturas e confissões religiosas. Que a harmonia e a coexistência pacífica alimentem sempre mais a vida social e civil do país, nas suas múltiplas expressões, e assegurem a todos a possibilidade de oferecer a própria contribuição para o bem comum”.

 

Infelizmente, recordou o Pontífice, o mundo sofre pelo drama de tantos conflitos, alimentados pela intolerância, promovidos por ideologias violentas e pela negação prática dos direitos dos mais frágeis. Por isso, é preciso fomentar a cultura da paz, que se nutre de um incessante diálogo e negociações leais; promover a harmonia entre os Estados, mediante sabedoria e a coragem, que leva ao progresso e à liberdade dos povos e aponta acordos duradouros e pacíficos. Aqui, o Papa fez um apelo:

“Quero expressar a minha atenciosa proximidade aos que foram obrigados a deixar a sua terra e aos que sofrem pelos conflitos sangrentos. Espero que a comunidade internacional possa oferecer a sua ajuda indispensável para a abertura de uma nova fase de paz estável na região; dirijo a todos o convite a não poupar esforços para se chegar a uma solução pacífica”.

 

O Santo Padre exprimiu sua esperança de que o Cáucaso possa ser o lugar, onde as controvérsias e as divergências encontrem, através do diálogo e da negociação, sua recomposição e superação das dificuldades, e seja uma verdadeira porta aberta entre o Oriente e o Ocidente, como também uma porta para a paz e a solução de conflitos novos e antigos. E o Papa acrescentou:

 

“A Igreja Católica, apesar de ser uma presença numericamente exígua no país, está integrada na vida civil e social do Azerbaijão, participa das suas alegrias e é solidária na solução dos seus problemas. Além disso, seu  reconhecimento jurídico internacional ofereceu uma maior estabilidade para a vida da comunidade católica no país”.

 

Francisco concluiu seu pronunciamento exprimindo sua satisfação pelas cordiais relações entre a comunidade católica e a muçulmana, a ortodoxa e a judaica, esperando que aumentem os sinais de amizade e colaboração. Estas boas relações são de grande importância para a convivência pacífica e a paz no mundo e a cooperação para o bem de todos. Por fim, o Papa admoestou:

 

“O apego aos genuínos valores religiosos é completamente incompatível com a tentativa de impor aos outros, pela violência, as próprias convicções, servindo-se, como escudo, do santo Nome de Deus. Que a fé em Deus seja fonte e inspiração de compreensão mútua, respeito e ajuda recíproca em prol do bem comum da sociedade. Deus abençoe o Azerbaijão com a harmonia, a paz e a prosperidade”. 

 

 

 

Please reload

DESTAQUE

21 sugestões para viver melhor esta Sexta-Feira Santa

18 Apr 2019

1/10
Please reload

April 18, 2019

April 18, 2019

Please reload