• Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
  • Google+ Social Icon

Mais de 300 sacerdotes atenderam confissões em quatro prisões da Colômbia

25.10.2016

 

 

BOGOTÁ - Nos dias 19 e 20 de outubro mais de 300 sacerdotes administraram o sacramento da reconciliação em quatro prisões de Bogotá (Colômbia), como um sinal de misericórdia durante as atividades pela ‘IV Copa da Fé’.

 

Os sacerdotes atenderam confissões na manhã da últimas quarta-feira e quinta-feira no Complexo Metropolitano Penitenciário e Carcerário de Bogotá (COMEB) “Picota”, na prisão Distrital, na prisão Modelo e na prisão para menores. Em algumas dessas prisões, como a “Picota”, estão reclusos membros do grupo guerrilheiro das FARC.

 

Uma funcionária do escritório de comunicações da Conferência Episcopal da Colômbia disse ao Grupo ACI que as confissões aconteceram em um ambiente tranquilo. Acrescentou que este gesto é um sinal do Jubileu da Misericórdia.

 

Com os sacerdotes que atenderam confissões nos cárceres, também esteve um grupo proveniente da diocese de Quito (Equador), que, junto com os sacerdotes da diocese de Guadalajara (México), fazem parte das delegações estrangeiras que participaram da ‘Copa da Fé’.

 

A Copa da Fé foi realizada entre os dias 17 e 21 de outubro em Bogotá e reuniu mais de 600 sacerdotes e 11 bispos sob o lema “Porque a misericórdia é perdão, reconciliação e paz”.  O Arcebispo de Bogotá, Cardeal Rubén Salazar, indicou em uma mensagem dirigida aos participantes da Copa da Fé que nos cárceres vive “uma das populações mais necessitadas, onde a misericórdia do Senhor deve estar presente de uma maneira muito especial”.

 

“A situação de um presidiário, tanto culpado como inocente, é uma situação indiscutivelmente de extrema necessidade. É uma situação na qual a pessoa precisa ser acolhida, amada, compreendida. De verdade precisa ser, como diz o Papa Francisco, ‘misericordiado’”, indicou o Cardeal.

 

Por sua parte, o presidente da Conferência Episcopal da Colômbia, Dom Luis Augusto Castro, indicou que a visita às prisões foi “um grande ato penitencial” e foi “um sinal da presença sacerdotal na cidade”.

 

 

Please reload

DESTAQUE

21 sugestões para viver melhor esta Sexta-Feira Santa

18 Apr 2019

1/10
Please reload

April 18, 2019

April 18, 2019

Please reload