• Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
  • Google+ Social Icon

Papa Francisco é “gay friendly”? Arcebispo argentino responde

09.01.2017

 

 

Dom Héctor Aguer. Foto: Arquidiocese de La Plata.

 

BUENOS AIRES - O Arcebispo de La Plata (Argentina), Dom Héctor Aguer, recordou e esclareceu a postura da Igreja, tergiversada “constantemente” pelos meios de comunicação, e respondeu à pergunta se o Papa Francisco é “gay friendly” (“amigo dos gays”).

 

Em 2 de janeiro, Dom Aguer participou do programa ‘No se puede vivir del amor’ (‘Não é possível viver do amor’), da Rádio ‘Once Diez’ de Buenos Aires, e pontuou que “o jornalismo tergiversa constantemente as declarações e a opinião dos Bispos e as opiniões manifestadas pela Igreja”.

 

Consultado se a Igreja mudou a sua postura ou se o Papa Francisco é “gay friendly”, Dom Aguer enfatizou que “não se trata de ser amigo ou inimigo dos gays. Há uma doutrina da Igreja sobre isso, que é respeitada tanto por Bergoglio como por mim. E essa doutrina não mudou, está e estará e não deve ser inventada por cada pessoa”.

“Na história da Igreja existe continuidade e renovação. A renovação acontece sem alterar absolutamente a verdade revelada na Sagrada Escritura ou afirmada pelos Concílios ou pelas definições dos Papas ou pela tradição comum da Igreja”, acrescentou Dom Aguer.

 

Em outro tema, o Prelado expressou que a “rajada de feminicídios” que o país sofre “está relacionada com o desaparecimento do matrimônio”.

 

“O matrimônio dignificava a mulher, colocava-a em um lugar de igualdade com o homem. Mas, atualmente até mesmo nas leis, no código civil, (…) tornou-se um ‘reajuste provisório’. O matrimônio dava estabilidade à família e um apoio”, assinalou.

 

No matrimônio, disse o Arcebispo argentino, “a durabilidade do vínculo é importante. Para isso foram feitos o homem e a mulher. De uma tradição clássica cristã, a união do homem e da mulher tem um duplo sentido: unitivo, o encontro de almas e corpos, e outro procriativo, que é a procriação da vida. Essa estabilidade dá segurança e direito aos filhos”.

 

O Arcebispo de La Plata lamentou que a maioria dos casos de abusos sexuais “aconteça dentro das famílias. A maioria dos culpados são os padrastos, os companheiros das mulheres, embora às vezes também são os próprios pais. Obviamente, quando o delito é cometido pelo pai é infinitamente pior”.

 

Em referência à adoção homossexual, explicou que é um “problema cultural” e “muitos não aceitam que existe uma natureza humana (em vez de) qualquer coisa é possível. A Igreja reitera que existe uma natureza humana que é a fonte em todo caso dos direitos da pessoa humana, porque senão estaríamos nas mãos de qualquer arbitrariedade, como ocorreu em outros regimes totalitários”.

 

Please reload

DESTAQUE

21 sugestões para viver melhor esta Sexta-Feira Santa

18 Apr 2019

1/10
Please reload

April 18, 2019

April 18, 2019

Please reload