• Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
  • Google+ Social Icon

Adivinhos e cartomantes? Uma estupidez, disse o Papa ao recordar história

13.01.2017

 

Vaticano - Uma curiosa história sobre videntes, adivinhos e cartomantes fez parte da catequese que o Papa Francisco pronunciou na Audiência Geral desta quarta-feira, na qual falou sobre as “falsas esperanças” oferecidas por “falsos ídolos”, aos quais muitas vezes o homem recorre.

 

O Papa denunciou que, muitas vezes, “pensamos poder encontrá-la (confiança) na segurança que pode dar o dinheiro, nas alianças com os poderosos, na mundanidade, nas falsas ideologias”

 

“Às vezes, nós a buscamos em um deus que possa se inclinar aos nossos pedidos e magicamente intervir para mudar a realidade e torna-la como nós a queremos; um ídolo que, como tal, não pode fazer nada, impotente e mentiroso”.

 

Neste ponto, Francisco improvisou e contou a história:

 

“Nós gostamos dos ídolos. Uma vez, em Buenos Aires, eu tinha que ir de uma igreja para outra, cerca de mil metros, e percorri caminhando. Tinha um parque no meio. No parque havia pequenas mesas, mas muitas, muitas, onde estavam os videntes”.

 

“Tinha tanta gente que faziam até fila. Você dava mão e ele começava, mas o discurso era sempre o mesmo: ‘há uma mulher na sua vida, tem uma sombra chegando... mas tudo acabará bem’. E você pagava. Isso dá segurança. É a segurança de, permitam-me a palavra, de uma estupidez”, narrou o Papa.

 

“Este é o ídolo. ‘Ah, fui na vidente e ela leu as cartas’ – sei que ninguém de vocês faz isso – ‘por causa disso eu sai melhor’. Você paga para ter uma falsa esperança. Isso é ídolo. E nós somos tão apegados. Compramos falsas esperanças”.

Please reload

DESTAQUE

21 sugestões para viver melhor esta Sexta-Feira Santa

18 Apr 2019

1/10
Please reload

April 18, 2019

April 18, 2019

Please reload