• Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
  • Google+ Social Icon

Contra uma religião do lucro

22.02.2017

 

Caros amigos, segundo os recentes documentos da Igreja, estamos vivendo uma “mudança de época” (Cfr. Aparecida, 44; Evangelii Gaudium, 52) com ênfase em uma profunda transformação cultural que vem colocando em crise muitos valores fundamentais da atual sociedade. Segundo estudiosos da atualidade, a realidade traz consigo uma verdadeira crise de sentido. Não se trata certamente das múltiplas tarefas do cotidiano, desenvolvidas pelo indivíduo, mas do nexo profundo que dá o eixo do próprio viver que os cristãos chamam de senso religioso. (Cf. n.37).

 

Neste contexto, é natural a desorientação dos cristãos. Infelizmente, o ambiente também torna-se propício para o surgimento de oportunistas que, explorando a boa-fé de nosso povo, querem utilizar o Evangelho para o lucro pessoal e não para a pregar a Verdade.

 

Nos primórdios da Igreja, tal atitude já era denunciada por São Paulo: “Se alguém transmite uma doutrina diferente e não se atém às palavras salutares de Nosso Senhor Jesus Cristo e ao ensino segundo a piedade, é um orgulhoso, um ignorante, alguém doentiamente preocupado com questões fúteis e contendas de palavras. Daí se originam invejas, ultrajes, suspeitas malévolas, discussões sem fim entre pessoas de mente corrompida, que estão privadas da verdade e consideram a piedade como uma fonte de lucro”. (1Tm 6, 3-5)

 

É lastimável o espetáculo das vendas de milagres, promissórias de bênçãos e “campanhas” de graças do céu. Sempre envolvendo altas quantias de dinheiro e uma linguagem puramente comercial, tal situação é um escândalo que se opõe à mensagem do Evangelho.

 

Nossa responsabilidade ante este quadro é dupla: em primeiro lugar, devemos fazer sério exame de nossa conduta e avaliar se estamos nos rendendo a este nefasto espírito de mercado; e, em segundo lugar, a denúncia dos falsos profetas e suas doutrinas, sempre presentes na histórica caminhada do Povo de Deus.

Muitos fiéis deixam os ensinamentos de Nosso Senhor não especificamente pela profissão de fé cristã, mas pelo modo como os cristãos vivem (Aparecida, 225); outros, entretanto, adquirem falsas práticas religiosas porque não conhecem o que Jesus disse no Evangelho ou apenas o ouviram de modo fragmentado.

 

Uma religião do bem-estar temporal nunca será compatível com a pregação de Jesus Cristo. Que Deus livre nossa sociedade de cair nesta antiga tentação.

 

Autor: Dom Edney Gouvêa Mattoso

Bispo  de Nova Friburgo, RJ

Please reload

DESTAQUE

21 sugestões para viver melhor esta Sexta-Feira Santa

18 Apr 2019

1/10
Please reload

April 18, 2019

April 18, 2019

Please reload