• Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
  • Google+ Social Icon

Reabrem o Santo Sepulcro de Cristo em Jerusalém

27.03.2017

 

 

O Santo Sepulcro após a restauração. Foto: Daniel Ibáñez (EWTN Katholisches TV)

 

ROMA - O Santo Sepulcro, a tumba onde foi depositado o corpo de Jesus depois da crucificação, voltou a brilhar em todo o seu esplendor.

 

As obras de restauração foram concluídas oficialmente alguns dias antes da Semana Santa e os peregrinos já podem entrar no recinto sagrado.

 

Em uma cerimônia ecumênica simples e simbólica, representantes das três igrejas cristãs responsáveis pela custódia do Santo Sepulcro – a Igreja Católica, a Igreja Ortodoxa Grega e a Igreja Ortodoxa Armênia – agradeceram pela reabertura do Santo Sepulcro.

 

Falaram a respeito desta reabertura Sua Beatitude Teófilo III, Patriarca greco-ortodoxo; Francesco Patton, Custódio franciscano da Terra Santa; Sua Beatitude Nourhan Maougian, Patriarca Armênio Apostólico; e Dom Pierbattista Pizzaballa, Administrador Apostólico do Patriarcado Latino de Jerusalém.

 

O Patriarca Ecumênico de Constantinopla, Bartolomeu I, participou da cerimônia ecumênica junto com os representantes de outras Igrejas e comunidades cristãs presentes na Basílica do Santo Sepulcro: coptos, sírios, etíopes e luteranos.

 

Dom Pizzaballa afirmou que “a aparente missão impossível da restauração da Santa Edícula se tornou possível porque nós permitimos que Deus iluminasse os nossos pensamentos, nossos olhos e nossos laços”.

 

“Acredito que a maioria dos habitantes de Jerusalém e todos aqueles que estão familiarizados com a vida no Santo Sepulcro, em geral com a vida dos cristãos em Jerusalém, não podia acreditar que este momento seria possível. Muitas vezes, quando os peregrinos, os cristãos locais, também os não cristãos, visitavam a Basílica e perguntavam quando seria possível a restauração da Edícula, a resposta imediata era: ‘Nunca veremos este dia’. Mas este dia ‘finalmente chegou’”.

 

O Administrador Apostólico do Patriarcado Latino de Jerusalém, indicou que “o Santo Sepulcro, onde nosso Senhor foi enterrado e onde ressuscitou, é o custódio da nossa fé. Mas também das nossas respectivas histórias, das nossas identidades. É o espelho do que somos”.

 

O Santo Sepulcro

A tumba de Cristo se encontra dentro de um pequeno templo conhecido como Edícula, construído em 1801 – depois que um terremoto destruiu a estrutura anterior – que está dentro da Basílica do Santo Sepulcro.

De estilo barroco otomano, a Edícula sofreu novamente os efeitos dos terremotos em 1927, causando uma destruição gradativa que forçou a instalação, em 1947, de colunas de aço para evitar o seu desmoronamento.

 

Atualmente, as obras de restauração permitiram retirar estas colunas e contemplar a estrutura limpa e com todas as suas policromias e inscrições claramente visíveis, em todo o seu esplendor sob a grande cúpula que cobre o transepto da basílica.

 

O trabalho de consolidação e restauração do edifício teve um orçamento de 3 milhões e 500 mil dólares. O financiamento foi feito pelas três denominações cristãs responsáveis pela custódia do sepulcro.

 

Também receberam ajudas do governo grego e de benfeitores particulares. Além disso, o Fundo Mundial para os Monumentos desempenhou um papel importante na arrecadação de fundos.

 

As contribuições econômicas para as obras também procederam de países muçulmanos. Assim, o rei Abdullah II da Jordânia ofereceu uma doação, assim como as autoridades palestinas, que não quiseram ficar de fora do projeto e fizeram uma contribuição econômica para a restauração da tumba de Cristo.

 

Agora, é aberta uma nova fase nas obras de restauração da Edícula, que começará depois das celebrações da Semana Santa e da Páscoa. Segundo explicam fontes da Custódia da Terra Santa através de um comunicado de imprensa, “deverão remover todo o pavimento em torno da Edícula, refazer todas as canalizações, restaurar todas as pedras do piso e substituí-las por outras do mesmo estilo, consolidar as bases da Edícula assegurando a estabilidade sísmica do conjunto”.

 

Sem dúvida, trata-se de uma fase muito interessante e que trará surpresas, pois, assinalam na Custódia, será possível fazer escavações arqueológicas que na fase anterior, agora concluída, não puderam ser feitas.

 

Please reload

DESTAQUE

21 sugestões para viver melhor esta Sexta-Feira Santa

18 Apr 2019

1/10
Please reload

April 18, 2019

April 18, 2019

Please reload