• Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
  • Google+ Social Icon

Homilias de Dom Fernando Antônio Figueiredo

30.03.2017

Jo 5, 17-30 - Discurso sobre as obras do Filho

 

        

 

Em seu agir livre e misericordioso, Deus jamais dispensa a nossa liberdade. Caso contrário, não seríamos pessoas responsáveis e, em última análise, não haveria o bem e o mal, que nos permitem modelar nossa identidade. Por conseguinte, para agirmos bem e de modo justo, urge deixar agir em nós o fogo purificador do Espírito divino, que nos comunica o dom do discernimento para distinguir o que é preciso admitir e o que necessitamos rejeitar em nossas decisões. Sem cairmos numa interpretação eclesiástica de Deus, anima-nos a esperança de encontrar um modelo de verdadeira humanidade, chance vital de liberdade e realização. 

 

Ao falar de suas obras, Jesus diz fazê-las não por conta própria, mas, segundo suas palavras, de acordo com a vontade do Pai: “O Pai confiou tudo a mim; ninguém conhece o Filho a não ser o Pai e ninguém conhece o Pai a não ser o Filho e aqueles a quem o Filho quiser revelar”. Por conseguinte, em sua bondade e compaixão para com todos, curando e perdoando aqueles que dele se aproximam, dá-se em Jesus a revelação plena do verdadeiro rosto misericordioso de Deus. 

 

De outro lado, Jesus se mostra profundamente humano, acolhendo a todos, sem mesmo excluir os pecadores, pois Ele é um Deus que cuida do ser humano: a solidariedade, a justiça e a verdade se impõem como o autêntico rosto de sua humanidade, que protesta contra a mentira e, ao mesmo tempo, a liberta de toda pretensão ideológica. Essa praxe é garantida pelo próprio Jesus, pelo seu contato com os publicanos, pecadores e com o povo, em geral, que o ouviam atentos e sentiam no seu agir a manifestação de Deus em sua bondade, amor, misericórdia. Na verdade, inicia-se a jubilosa era de paz e de unidade, que implica, pela força do amor, a reunião de todos os povos numa única comunidade.

 

Por isso, vendo a importância e urgência do momento presente, num suspiro amoroso, Jesus diz: “Vem a hora, e é agora” (v.25). Não há delongas, ou se decide por Ele “agora”, ou se nega desde já viver a comunhão eterna com o Pai, pois a Ele cabe o poder de dar, àqueles que o acolhem, a vida eterna, vida autêntica e definitiva. Consequentemente, se estivermos vivendo e realizando as obras de Jesus, estaremos desde já, participando “dos novos céus e da nova terra”.

 

 

Dom Fernando Antônio Figueiredo, ofm

 

Please reload

DESTAQUE

21 sugestões para viver melhor esta Sexta-Feira Santa

18 Apr 2019

1/10
Please reload

April 18, 2019

April 18, 2019

Please reload