• Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
  • Google+ Social Icon

Homilias de Dom Fernando Antônio Figueiredo

06.05.2017

Jo 10, 1-10 - O Bom Pastor

 

 

 

 

Escolhido por Deus como filho primogênito, Israel tem consciência de que a glória de Deus o acompanhou em sua peregrinação através do deserto e iluminou o Templo como prova de sua graciosa presença no meio de seu povo. De início, nômades, os israelitas faziam parte de uma civilização pastoril, que via na figura do pastor o amigo, sempre pronto a defender o rebanho contra as feras e os assaltos de ladrões. Ele conhecia cada uma das ovelhas, cuidava delas como suas filhas e, quando necessário, levava-as em seus braços.

 

As ovelhas seguem prontamente o pastor, mas não reconhecem a voz do ladrão ou do mercenário e, por isso, negam-se a acompanhá-lo. No entanto, movido pelo egoísmo ou por interesses pessoais, este entra furtivamente, causando danos ao redil. Ao invés, entre o pastor e as ovelhas cresce uma relação de familiaridade e de ternura: Ele é a porta por onde as ovelhas transitam livremente; é o lugar seguro por onde elas entram e por onde chegam às verdes pastagens, clara alusão à Terra Prometida.  
 

No Antigo testamento, Deus é denominado pastor de seu povo e, nos Evangelhos, Jesus se apresenta como o bom Pastor, que conhece e ama as suas ovelhas e arrisca sua vida para procurar e salvar a que se perdera. Embora não utilize o título de pastor para designar a missão dos Apóstolos, Ele descreve o seu ministério, como também o de seus seguidores, sob os traços misericordiosos e solícitos do pastor que cuida de suas ovelhas e empenha sua vida para defendê-las. À solicitude do pastor corresponde a confiança das ovelhas, que, pela manhã, atendem à voz daquele que as chama, por seu nome, e as conduz aos pastos disponíveis. 

 

Através desta parábola, Jesus se apresenta como o bom Pastor, que reúne ao seu redor todos os que escutam a sua voz. Entre eles, existe uma comunhão, comunhão de vida, cuja fonte é o Pai. Por isso, a intimidade que existe entre as ovelhas e o bom pastor, o Filho Jesus, é a mesma dele com o Pai: o Pai o ama e Ele ama os que são do Pai, a ponto de empenhar sua própria vida por elas.

 

Em contraste com o mercenário, que rouba, que dispersa e foge quando aparece um perigo, Jesus é o novo Davi, o verdadeiro pastor de Israel, que quer reunir a todos, os que vêm de perto, os judeus, e os que pertencem a outros povos, “que não são deste pátio”, do pátio do Templo. Por conseguinte, a salvação escatológica, que Ele oferece ao mundo, conserva uma relação permanente com o judaísmo: Jesus se imola por todos os que o Pai lhe deu e que jamais serão arrancados de seus braços, pois “haverá um só rebanho, com um só pastor”. Dessa forma, cumpre-se a Aliança de Deus com o seu povo e se acentua a restauração universal, que exprime a salvação definitiva em e por Jesus, “pois não há, debaixo do céu, outro nome dado aos homens pelo qual devamos ser salvos” (At 4,12). 

 

 

Dom Fernando Antônio Figueiredo, ofm

Please reload

DESTAQUE

21 sugestões para viver melhor esta Sexta-Feira Santa

18 Apr 2019

1/10
Please reload

April 18, 2019

April 18, 2019

Please reload