• Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
  • Google+ Social Icon

Apelo do Papa pelos Rohingya, minoria em fuga da violência em Myanmar

29.08.2017

 

 

Cidade do Vaticano  – Após a oração do Angelus e antes de saudar os presentes na Praça São Pedro, o Papa Francisco expressou sua proximidade às populações de Bangladesh, Nepal e Índia, atingidas por grandes inundações nos dias passados, rezando “pelas vítimas e por todos aqueles que sofrem por causa destas calamidades”.

 

A seguir, o Papa voltou seu pensamento e orações à Myanmar:

 

“Chegaram tristes notícias sobre a perseguição contra a minoria religiosa, os nossos irmãos Rohingya. Gostaria de expressar toda a minha proximidade a eles, e todos nós pedimos ao Senhor para salvá-los e para suscitar homens e mulheres de boa vontade para ajudá-los, que deem a eles plenos direitos”.

 

De fato, no país, em particular no Estado de Rakhine, são cerca de 92 os mortos causados pelas violências que explodiram na última sexta-feira e que deixaram sobretudo vítimas civis.

 

Nestas últimas horas, milhares de civis da minoria muçulmana dos Rohingya se aglomeram na fronteira com Bangladesh, em fuga da violência do exército.

 

Segundo um jornalista da Agência France Press que está no local, guardas de fronteira relatam que “dispararam contra mulheres e crianças que haviam encontrado abrigo atrás das colinas próximas à fronteira, usando morteiros e metralhadoras, sem terem nos avisado”.

 

No sábado, 26, uma Comissão nomeada pelo Governo e guiada pelo ex-Secretário Geral da ONU, Kofi Annan, publicou um relatório sobre o Estado de Rakhine onde vive esta minoria muçulmana, recomendando não somente que se organize para que sejam concedidas a eles a cidadania, mas também que sejam implementadas medidas que promovam o desenvolvimento econômico e a justiça social.

 

Myanmar passa por uma grave crise. Nem mesmo a posse no governo da Prêmio Nobel Aung San Suu Kyi, em março de 2016, após 49 anos de ditadura militar, trouxe o fim dos conflitos e a perseguição contra a minoria Rohingya.

 

Este povo - formado por 1 milhão de pessoas entre os 54 milhões de habitantes do país, com 90% de budistas – é muito discriminado. Eles são privados de cidadania e de direitos fundamentais por uma lei aprovada em 1982.

 

Não sendo considerados  como pertencentes a nenhum dos 35 grupos étnicos oficialmente reconhecidos, são impedidos de votar. A bem da verdade, eles formam uma “casta” invisível de refugiados internos, que não têm acesso ao mundo do trabalho e somente um acesso parcial à saúde.

 

Em 2016 ao menos 72.000 Rohingya fugiram para Bangladesh, mas ninguém quer acolher estas embarcações cheias de desesperados e se fala até mesmo de uma ilha onde confiná-los.

 

Ao final da Audiência Geral de 8 de fevereiro o Papa Francisco já havia lançado um apelo em favor deles:

 

“Eu gostaria de rezar com vocês, hoje , de modo especial pelos nossos irmãos e irmãs Rohingya: expulsos de Myanmar, vão de um lugar a outro porque não os querem, ninguém os quer. É gente boa, gente pacífica.

 

Não são cristãos, são bons, são irmãos e irmãs nossos! Há anos sofrem. Foram torturados, mortos, simplesmente porque levam em frente as suas tradições, a sua fé muçulmana”.

 

Para a Secretária Geral das relações Itália-Myanmar, Cecilia Brighi, a Igreja tem um papel importantíssimo para a construção do diálogo nesta região.

 

Em um relatório publicado recentemente pelo Escritório dos Direitos Humanos das Nações Unidas, cerca de 220 testemunhos relataram “assassinatos de crianças, mulheres e idosos, estupros e violências sexuais sistemáticas em grande escala, destruição intencional de alimentos e fontes de sustento”, o que leva a crer em “limpeza étnica”.

 

Os abusos contra os Rohingya tiveram origem nos 50 anos de uma ditadura militar, que sempre reprimiu as minorias étnicas budistas e muçulmanas para atingir os seus objetivos, entre os quais a exploração das riquezas naturais.

Please reload

DESTAQUE

21 sugestões para viver melhor esta Sexta-Feira Santa

18 Apr 2019

1/10
Please reload

April 18, 2019

April 18, 2019

Please reload