• Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
  • Google+ Social Icon

AS PRIMÍCIAS NO NOVO TESTAMENTO

15.01.2018

 

Alguns cristãos têm dificuldade com qualquer menção de princípios ligados ao Antigo

Testamento e, antes de aceitarem qualquer doutrina, já começam indagando qual é a base disto no Novo Testamento? Pois bem, no Novo Testamento não se guardava mais a lei de Moisés com o peso das ordenanças que ela tinha no Antigo Testamento.

 

 

 

O Concílio de Jerusalém deixou claro que não havia encargo algum a se impor aos gentios além daquelas quatro áreas mencionadas: guardar-se da carne sufocada, do sangue, do sacrifício aos ídolos e da prostituição. Isto não quer dizer que depois do Concílio a igreja gentílica não precisasse de mais nenhuma instrução ou doutrina, senão o Novo Testamento não teria sido escrito. Aquilo limitava, naquele momento, a herança judaica a ser passada aos gentios.

 

Contudo, posteriormente, ao ensinarem os princípios para a igreja nascente, os apóstolos ainda

apresentavam figuras poderosas para fortalecer doutrinas da Nova Aliança pré-figuradas naquilo que se fazia anteriormente nos dias do Antigo Testamento. Não significava que estavam tentando retroceder ao passado, e sim que queriam esclarecer as figuras que Deus havia projetado por intermédio daqueles princípios praticados.

 

“Ora, visto que a lei tem sombra dos bens vindouros, não a imagem real das coisas, nunca

jamais pode tornar perfeitos os ofertantes, com os mesmos sacrifícios que, ano após ano,

perpetuamente, eles oferecem”. – (Hebreus 10,1).

 

 

 

A sombra é diferente da imagem real que a projeta. Assim também, o que se via nas determinações da Antiga Aliança eram características similares às dos princípios que Deus revelaria nos dias da Nova Aliança (práticas espirituais).

 

O cordeiro sacrificado na lei mosaica foi apontado como uma pre-figura (ou imagem) de Jesus que veio morrer em nosso lugar (Jo.1:29).

 

A oferta de incenso do Tabernáculo passou a ser reconhecida como uma figura da oração dos santos  (Ap.5:8).

 

A ceia da Páscoa deixou de ser praticada, substituída pela celebração do dia do Senhor e esta celebração passou a ser uma aplicação dos princípios que ela figurava (I Co.5:7,8).

 

“Livrem-se do fermento velho, para que sejam massa nova e sem fermento, como realmente são. Pois Cristo, nosso Cordeiro pascal, foi sacrificado. Por isso, celebremos a festa, não com o fermento velho, nem com o fermento da maldade e da perversidade, mas com os pães sem fermento da sinceridade e da verdade.” (1 Coríntios 5,7-8)

 

Joaquim Accioly-Meac

 

Dízimo:www.meac.com.br

 

 

Please reload

DESTAQUE

21 sugestões para viver melhor esta Sexta-Feira Santa

18 Apr 2019

1/10
Please reload

April 18, 2019

April 18, 2019

Please reload