• Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
  • Google+ Social Icon

DÍZIMOS - O ensino de 2 Corintios 9,7

24.03.2018

O assunto  que eu quero apresentar é o fundamento bíblico  das ofertas, não queria, portanto, me alongar sobre o dízimo. Sinto-me, entretanto, na obrigação de colocar algumas poucas  palavras sobre o dízimo. Não pretendo  fazer uma exposição detalhada de que o dízimo é uma determinação procedente de Deus, que precedeu a lei cerimonial e judicial da nação de Israel (incorporando-se posteriormente a essas), sendo portanto válido para todas as épocas e situações. Não é, também, minha intenção partir para uma exposição da seriedade com a qual Deus apresentou e tratava essa questão do dízimo. Não vou, portanto, examinar as severas advertências àqueles que desprezavam suas determinações. Tudo isso já foi dito e exposto por outros de uma forma bem  mais completa do que eu poderia aqui fazer.

 

Gostaria apenas de reforçar dois fundamentos bíblicos sobre o dízimo, extraídos do Novo Testamento. Por isso os chamaremos de princípios neotestamentários, que devem regular a nossa contribuição sistemática:

 

O primeiro princípio neotestamentário a ressaltar, é que a Palavra de Deus nos ensina que devemos contribuir planejadamente. Temos este ensinamento em 2 Cor. 9.7, que diz: “Cada um contribua segundo propôs no seu coração; não com tristeza, nem por constrangimento; porque Deus ama  quem dá com alegria”.

 

Frequentemente nos concentramos apenas no entendimento superficial do versículo, e interpretamos que ele fala simplesmente da voluntariedade da contribuição. Mas o fato de que ele nos ensina que a nossa contribuição deve ser alvo de prévia meditação e entendimento nos indica, com muito mais força, que ela deve ser uma contribuição planejada, não aleatória, não dependente da emoção do momento. O "dar" com emoção é válido. O "dar" seguindo o impulso momentâneo do coração, possivelmente, mas "ambos" não estão no cerne do “dar” neotestamentário.

 

Deus está nos ensinando que para si, o “mover do nosso coração” não significa a abdicar de nossas responsabilidades. Ele nos ensina que não podemos simplesmente esquecer as portas abertas que ele coloca à nossa frente, relacionadas com as necessidades de sua igreja, e esperar o “mover do espírito”. Tudo isso soa muito piedoso e espiritual, mas se vamos propor no nosso coração, significa que vamos considerar com seriedade que a nossa contribuição deve ser planejada.

 

 

O dízimo representa a essência da contribuição planejada e sistemática e, consequentemente, deveríamos propor no nosso coração dar o dízimo. Vêm como isso muda a compreensão que tantos têm do verso? Alguns dizem: o dízimo constrange e retira a alegria da contribuição, quando o ensinamento é justamente o contrário: proponha no seu coração, sistematize sua contribuição e a contribuição fluirá de você sistematicamente, sem constrangimentos, com alegria.

 

 

Joaquim Accioly-Meac

 

Dízimo: www.meac.com.br

Please reload

DESTAQUE

21 sugestões para viver melhor esta Sexta-Feira Santa

18 Apr 2019

1/10
Please reload

April 18, 2019

April 18, 2019

Please reload