• Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
  • Google+ Social Icon

Atentado contra mesquita no Egito mata ao menos 235 pessoas


Pessoas caminham diante da Mesquita al-Rawdah, atacada na manhã desta sexta-feira - EPA


Cairo – Sobe para 235 o número de mortos no ataque ocorrido na manhã desta sexta-feira contra uma mesquita no norte da Península do Sinai.


Segundo a Agência oficial Mena – que cita fontes de segurança do Cairo – ao menos 125 pessoas ficaram feridas no ataque.


Homens armados não identificados, suspeitos de fazerem parte de grupos islâmicos, lançaram uma bomba contra a Mesquita al-Rawdah, para então abrir foco contra os fiéis que rezavam no dia sagrado para os muçulmanos.


Nenhum grupo assumiu o atentado, o mais mortal na Península do Sinai há anos. Segundo fontes locais, as vítimas são muçulmanos pertencentes à corrente mística "sufi", considerada apóstata pelo Estado Islâmico.


As forças armadas do Egito, com o uso de drones, afirmaram ter matado 15 milicianos envolvidos no atentado em uma região desértica próxima a Bir al-Abed, a oeste da cidade de Arish.


O Presidente egípcio al-Sisi reuniu o gabinete para uma reunião de emergência. Foi decretado luto oficial de três dias no país.


Chefes de Estado e Governo de diversos países condenaram o atentado, ao mesmo tempo em que reafirmam o compromisso de lutar contra o terrorismo.


Este é mais um atentado no âmbito das violências perpetradas contra as comunidades religiosas não-islâmicas ou que seguem um tipo de islã diferente daquele oficial sunita.


No decorrer de 2017, a comunidade cristã egípcia foi alvo de uma série de ataques. O último dos quais, o atentado contra um ônibus em 26 de maio, que matou dezenas de peregrinos coptas.


Milicianos do Isis cometem constantes ataques, sobretudo no Sinai, com o objetivo de instabilizar o governo do Presidente Abdel Fattah al-Sisi.


Desde a deposição do ex-Presidente islâmico Mohammed Morsi em 2013, terroristas islâmicos assassinaram centenas de soldados e policiais.

#AtentadoTerrorista #Sinai #Egito

DESTAQUE