• Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
  • Google+ Social Icon

Estrela e Bandeira do Divino

06.01.2017

 

 Foto: Acidigital

 

A estrela é a estrela de Belém que atraiu os reis magos do Oriente e a bandeira do divino é aquela que os devotos das folias de reis carregam durante as procissões animadas com rezas, cantos e danças, motivando a si mesmos a celebrar a Epifania, a festa da manifestação do Senhor a toda gente, representada por aqueles três reis: Gaspar, Baltazar e Melquior. 

 

Natal é a festa da vida que celebra o nascimento do Senhor, mas não basta que nasça a vida, é preciso que o Senhor se manifeste. A estrela é o símbolo da manifestação do Senhor. Deus se manifestou a todos os povos na pessoa de Jesus que veio até a humanidade nascendo de uma mulher como nascem todos os humanos. Naquela noite santa do Natal uma estrela nova iluminou os céus, anunciando o nascimento do Salvador, o chefe que vai ser o Pastor de Israel. 

 

O Evangelho da Missa - Mt 2,1-12- conta a epopeia dos reis magos que chegaram a Jerusalém atraídos por um estrela, perguntando: “Onde está o rei dos judeus, que acaba de nascer? Nós vimos a sua estrela no Oriente e viemos adorá-lo”. Segundo as Escrituras, em Belém, terra de Judá, há de nascer o Messias. A estrela conduziu os magos até Belém e parou sobre o lugar pobre onde estava o menino. Desceram de seus animais, entraram e viram o Salvador com Maria e José. Ajoelharam-se e o adoraram. Depois abriram seus cofres e lhe ofereceram presentes: ouro, incenso e mirra. Não voltaram a Herodes, conforme lhes foi avisado em sonho, mas seguindo outro caminho retornaram para a sua terra. A maldade de Herodes levou-o a decretar em toda a região de Belém a matança dos meninos abaixo de dois anos. 

 

Todos os anos somos lembrados a estar atentos à estrela que simboliza todos os sinais de Deus em nossas vidas. Que quem encontra Jesus segue outro caminho, o caminho que o Evangelho indica. Que nós também devemos ser uma estrela a apontar os caminhos do bem, da verdade e da fé. 

 

Liturgicamente, hoje é solenidade da Epifania do Senhor, popularmente, é festa dos Reis Magos ou do Divino. De tradição portuguesa, ainda se veem entre nós as chamadas “folias dos Reis Magos ou folias do Divino”. São festejos religiosos que consistem em procissões coloridas com símbolos, enfeites, lanternas, varas enfeitadas de fitas e flores e bandeira desenhada com a pomba do Divino Espírito Santo, e enriquecidas com cantos, rezas e recitação bíblica do nascimento de Jesus. Os foliões visitam as casas, rezando em cada uma delas pedindo a proteção divina sobre seus moradores, e recolhem prendas para a festa final à qual todos são convidados a participar.

 

Amanhã, na Igreja, festejamos outra festa, a festa do Batismo do Senhor, com a qual se encerra o Tempo do Natal e começa o Tempo Comum que vai até a quarta-feira de cinzas quando tem início a Quaresma.

 

O Evangelho dessa Missa - Mt 3,13-17 - conta que Jesus foi batizado por João Batista com o batismo de água e penitência. Depois de ser batizado, ao sair das águas do rio Jordão, Jesus viu o céu se abrir e o Espírito Santo descer em forma de pomba sobre Ele. E ouviu do céu a voz do Pai que dizia: “Este é o meu Filho amado, no qual Eu pus o meu bem-querer”. Segundo São João Evangelista, o que foi batizado no Jordão é Aquele de quem João Batista dizia: “Eu vi, e dei testemunho de que este é o Filho de Deus” (Jo 1,32.34). Como narram os Evangelhos, Jesus, ungido pelo Espírito, dá início à sua obra missionária, pregando o Reino de Deus, convidando à conversão e fazendo o bem, isto é, realizando a libertação e a salvação, conforme o projeto de Deus. Em Atos 10,34-38 (2ª leitura da Missa), Pedro proclama: “Deus ungiu com o Espírito Santo e com poder a Jesus de Nazaré, que passou fazendo o bem e curando a todos aqueles que haviam caído no poder do diabo, porque Deus estava com ele”. 

 

Os presentes com os quais os reis magos presentearam a Jesus são reais e simbólicos. São reais porque não são de mentira. São de fato ouro, incenso e mirra. Mas são também simbólicos, isto é, são imagens tentativas de expressar o inexprimível, conforme os sinais que a Bíblia usa em abundância. O ouro não foi dado ao menino Jesus para enriquecer a sagrada família nem tirá-la da vida pobre que não fosse sustentada pelo trabalho do carpinteiro José. Mas o ouro, metal que não sofre corrosão de espécie alguma, representa a eternidade e a preciosidade do céu, exprime que a pessoa que o recebe participa da glória, do poder, da realeza e da essência divina. O incenso foi ofertado a Jesus, porque só a Deus mesmo, segundo a tradição bíblica, se queima incenso. Como faziam os sacerdotes do templo, queimavam incenso para formar abundantes nuvens, espessas e aromáticas, que subiam com suave odor ao céu. O incenso era oferecido exclusivamente a Javé. Aludindo ao ouro e incenso ofertados ao menino Jesus, em Isaías se lê, que “Os camelinhos de Madiã e Efa virão de Sabá, trazendo ouro e incenso e proclamando os louvores de Deus” (Is 60, 6). A mirra, que era usada para embalsamar os cadáveres, foi oferecida ao menino Jesus em alusão ao seu sofrimento, a sua morte na cruz e a sua ressurreição, relacionando-o desde cedo à sua missão redentora. Se do nosso tesouro de bens materiais não temos ouro, incenso e mirra a oferecer a Jesus, tiremos do nosso tesouro de amor a Deus e ao próximo o ouro da caridade diária, do nosso tesouro de piedade e devoção o incenso das orações de louvor e glória de todo momento, e do nosso tesouro de vida de penitência e sacrifícios a mirra da comunhão com os pobres e sofredores e com o Cristo pela cruz nossa de cada dia.

 

Autor: Dom Caetano Ferrari

Diocese de Bauru, SP

Please reload

DESTAQUE

21 sugestões para viver melhor esta Sexta-Feira Santa

18 Apr 2019

1/10
Please reload

April 18, 2019

April 18, 2019

Please reload